Bem vindos ao Blog ADESG Europa.Pode seguir - no no nosso perfil clicando AQUI para aceder a toda a informação e fotografias/videos da nossa instituição.
O nosso sitio está AQUI

VENCEDORES DO CONCURSO LITERÁRIO 2011:

- INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DO CIBERESPAÇO - UM VECTOR ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA E DEFESA NACIONAL - AUTOR: TCor Tm (Eng) Paulo Fernando Viegas Nunes

- TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO - A verdade de Um falso Mundo - AUTOR: Luis Boa Nova Verdade

- TECNOLOGIA, NÃO TECNOLOGIA – Estilhas Coloniais, e mais na vida do Rio de Janeiro no século XXI - AUTOR:
Laton Tombé

Obras a publicitar em breve

domingo, 29 de janeiro de 2012

Palavras do general-de-divisão Celso José Tiago, responsável pelo programa SGB no Ministério da Defesa

O Brasil, ainda segundo o que estabelece a Estratégia Nacional de Defesa, doravante terá que investir mais no setor espacial. Penso que teremos, em médio prazo, dois a três satélites geoestacionários de comunicações estatais, devendo o primeiro ser lançado em 2014 para operar em banda Ka e X. Serão necessários ainda satélites de navegação, de vigilância, meteorológicos, entre outros.
O ideal é que essa demanda venha a ser atendida, de uma maneira crescente, pela indústria nacional. Para o primeiro satélite a ser lançado em 2014, a Telebras se juntou à Embraer Defesa e Segurança e criaram uma nova empresa que fará a aquisição do satélite. Após o lançamento e testes em órbita, o satélite será de propriedade da Telebras, que irá operá-lo, não só no posicionamento orbital, como nas comunicações em banda Ka. A banda X será totalmente operada pelo Ministério da Defesa.
Imagina-se que essa empresa, recentemente criada pela Telebras e Embraer Defesa e Segurança, adquira, paulatinamente, know how no setor espacial e venha, no futuro, a competir nesse mercado, priorizando a indústria nacional.
Sabe-se que dificilmente um país passa tecnologia estratégica para outro. No entanto, o Brasil já possui uma razoável capacidade tecnológica na área espacial, principalmente no Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) e no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Esse patamar tecnológico aliado a uma robusta e regular injeção de recursos governamentais na contratação de pessoal mediante concurso, em pesquisas e nas parcerias com países possuidores dessa expertise, não há dúvida, colocará o Brasil no caminho certo para conquistar a tão desejada autonomia tecnológica no setor espacial.

Ministro da Defesa, Comandante da Marinha e autoridades visitam a Estação Antártica Comandante Ferraz

Helicópteros da Marinha do Brasil transladaram em meados de janeiro, desde a Base Chilena Presidente Eduardo Frei Montalva até a Estação Antártica Brasileira Comandante Ferraz e desta até o Navio Polar Almirante Maximiano (H-41), o Ministro da Defesa, Embaixador Celso Amorim, acompanhado pelo Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Julio Soares de Moura Neto, pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, pelo Embaixador do Brasil no Chile, Frederico Cezar de Araújo, pelo Presidente da Vale Soluções em Energia (VSE), James Pessoa, e por outras autoridades civis e militares.
 O motivo da visita, a comemoração dos 30 anos do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) e a inauguração do motogerador a etanol desenvolvido pela VSE, o primeiro do tipo a operar sob as condições extremas do Continente Antártico. Trata-se de uma tecnologia 100% brasileira de geração de energia limpa, o chamado biocombustível, condição fundamental de funcionamento num ecossistema frágil como o da Antártica. Com o início da operação do motogerador a etanol, o Brasil se tornou o primeiro país do mundo a utilizar biocombustível para produção de energia na Antártica. O motogerador suprirá toda a energia necessária ao funcionamento da base e aos programas científicos desenvolvidos no local.

Entrevista exclusiva com o Professor Doutor Deonisio Silva - Pró Reitor da Universidade Estácio de Sá

video
Entrevista exclusiva com o Professor Doutor Deonisio Silva - Pró Reitor da Universidade Estácio de Sá sobre o General Carlos de Meira Mattos.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Orgãos sociais 2012 - 2014

Orgãos sociais 2012 - 2014

Diretoria Executiva:
Presidente: DPF Pedro Luiz Berwanger
1ª V Pres.: C. Alte Wilson Jorge Montalvão
2° V Pres.: Gen Bda Márcio Tadeu Bettega Bergo
3° V Pres.: Brig Int Wilson Nunes Vieira
1’ª Sec.: Profª Marijane Vasconcelos Tavares
2° Sec.: Prof Sérgio Lazoski
1° Tes.: Cel Ubirajara Dias José
2° Tes.: CMG José Heriberto Costa
Conselho Fiscal:
Efetivo Adv Arthur Eduardo Diniz Gonçalves Horta
Efetivo CMG Ezir Rodrigues Pitta
Efetivo Estat Calmon Gold
Suplente CMG Sidney Hélio Melecchi
Suplente Econ. Luiz Victor Werneck Borelli
Suplente Adv Regina Mª Tocantins do Rego Monteiro
Conselho Superior:
Dr. Sebastião Till
C. Alte José Pardellas
C. Alte Edésio Campanille Neves Araripe
Prof Paulo César Milani Guimarães
Juíza Heloisa Corrêa da Costa e Paula
Proc Mary Virgínia Northrup
Prof João Baptista Miranda da Silva
Proc José Roberto de Souza Cavalcante
Gen Bda Durval Antunes Machado Pereira de Andrade Nery
Adm Jorge José González Séba

domingo, 15 de janeiro de 2012

Ministério da Defesa e ONU Mulheres firmam carta de intenções para ampliar presença feminina em missões de paz

O Ministério da Defesa e a ONU Mulheres (agência da Organização das Nações Unidas para as mulheres) firmaram carta de intenções com o objetivo de ampliar a presença feminina em operações de paz. A ONU Mulheres foi formada em setembro de 2010, reunindo os quatro órgãos já existentes nas Nações Unidas para melhorar as condições de vida das mulheres - o Fundo da ONU para o Desenvolvimento da Mulher (Unifem), a Divisão da ONU para o Avanço da Mulher, o Instituto Internacional de Pesquisas e Capacitação para a Promoção da Mulher (Instraw, na sigla em inglês) e o Escritório do Assessor Especial para Assuntos do Gênero (Osagi, na sigla em inglês). Michelle Bachelet é a primeira diretora-executiva da entidade.

Resultados do Plano Estratégico de Fronteiras são positivos, avalia vice-presidente

Lançado em junho passado pela presidente Dilma Rousseff, o Plano Estratégico de Fronteiras prevê ações para reforçar a segurança nos 16.866 quilômetros de fronteira com 10 países, por onde passam grande parte das drogas, armas e contrabando que entram no País, além de melhorar as condições de vida de mais de seis milhões de habitantes, de cerca de 500 municípios remotos.
De caráter integrador, o PEF é executado por meio de operações de responsabilidade dos ministérios da Justiça (Operação Sentinela) e da Defesa (Operação Ágata). As operações acionaram 26 órgãos públicos federais e 12 ministérios, responsáveis pela fiscalização e o controle das áreas fronteiriças.

fortalecimento da indústria de defesa

A presidenta da República, Dilma Rousseff, destacou o simbolismo da cerimônia de imposição da Medalha Ordem do Mérito da Defesa, realizada na Base Aérea de Brasília. “Aqui estão brilhantes militares que se distinguiram no exercício de sua profissão e representantes civis que pensam o país com seriedade e que consideram nossa soberania, o desenvolvimento econômico e a justiça social temas de primordial importância”, ressaltou. “Também estão representados os três poderes que constituem o Estado brasileiro. Mostra de que a defesa é, cada vez mais, um compromisso da sociedade nacional.”A presidenta ressaltou a importância de se reforçar o desenvolvimento de indústria nacional de material de emprego militar. Para ela, “o robustecimento da indústria de defesa nacional e o domínio de tecnologias críticas por empresas brasileiras serão decisivos para que nossas Forças Armadas disponham de equipamentos e tecnologias compatíveis com suas funções de garantia da democracia e da soberania do nosso país.”
O fortalecimento da indústria de defesa, segundo a presidenta, também será fundamental para elevar a capacidade inovativa e a competitividade da indústria, contribuindo para a continuidade do crescimento econômico do País.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Brasil e Portugal firmam acordo de parceria no desenvolvimento do projeto KC-390

A Embraer Defesa e Segurança e as empresas OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal e EEA – Empresa de Engenharia Aeronáutica assinaram contratos de parceria para o Programa KC-390. Por meio do acordo, Portugal desenvolverá na EEA o projeto de engenharia de componentes do jato e reabastecedor militar KC-390 que serão fabricados na OGMA, uma subsidiária da Embraer.
 “A participação de Portugal no KC-390 reforça nossa posição no mercado europeu de defesa”, declarou Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança.
O contrato assinado hoje foi antecedido de uma Declaração de Intenções entre os Ministérios da Defesa brasileiro e português, assinado em setembro de 2010, e enfatiza o compromisso de Portugal em comprar aviões KC-390.

MANSUP segue em frente

A Marinha do Brasil assinou os últimos contratos que cobrem os trabalhos de pesquisa e desenvolvimento do programa MANSUP (Míssil Anti-Navio de Superfície), que está programado para entrar em serviço no final desta década.
Além da Atech, cuja atuação será a de gerenciamento complementar, e da Omnisys, responsável pelo buscador de alvos (auto-diretor) do equipamento, Avibras e Mectron foram contratadas para fornecer o propulsor de combustível sólido e construir o protótipo, respectivamente. As duas empresas já estão envolvidas no programa de modernização dos MBDA MM40 Exocet Block II da MB, sendo que o primeiro foi entregue em outubro passado.
A Marinha do Brasil irá coordenar o programa de desenvolvimento, cujo objetivo é criar um substituto para os MM40. Segundo fontes classificadas o MANSUP consumirá inicialmente US$ 50 milhões.
Projetado para alcançar alvos a 70 quilômetros de distância, o MANSUP será guiado na fase final de aproximação do alvo por um buscador de radar ativo.

sábado, 7 de janeiro de 2012

A Presidenta Dilma Rousseff afirmou que seguirá apoiando a renovação dos equipamentos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

... "Senhoras e senhores oficiais-generais,
Na caminhada para tornar o Brasil um país mais justo, mais desenvolvido e mais soberano, o Ministério da Defesa e as Forças Armadas brasileiras têm e terão um papel muito relevante. As nossas Forças Armadas serão parceiras inestimáveis na construção deste novo Brasil. Um Brasil forte, profissionalizado, com capacidade de criar e construir ciência, tecnologia e inovação exige Forças Armadas fortes, capazes de construir este país.
A sociedade brasileira reconhece, em suas Forças Armadas, as virtudes da lealdade, da abnegação e do patriotismo. Reconhecemos a nobreza daqueles que dedicam a vida à defesa da soberania, da democracia e da integridade territorial do Brasil, por isso o Brasil também tem de reconhecer que esses homens e mulheres necessitam de recursos, não só aqueles dos equipamentos, mas também aqueles que garantam uma vida digna à família militar.
No novo Brasil que estamos construindo, as Forças Armadas serão cada vez mais exigidas. Seguiremos com os projetos de renovação dos equipamentos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. Isso nos permitirá aumentar nossa capacidade operativa e também a possibilidade de o Brasil contribuir, sempre que for adequado ao interesse nacional, em operações de manutenção da paz, sob a égide das Nações Unidas. Permitirá – cabe destacar – que se desenvolva, ainda mais, a Indústria Nacional de Defesa, melhorando nossa capacidade tecnológica e agregando mais valor ao Brasil.
Daí porque, senhores generais, temos de dar muita importância também a uma política de compras governamentais que tenha o poder de organizar a demanda e, assim, fortalecer a cadeia produtiva de bens industriais e de serviços para a defesa.
Estamos comprometidos com a valorização da profissão militar para que continuemos atraindo, para nossas Forças Armadas, os quadros necessários ao pleno cumprimento de suas funções profissionais e constitucionais. E também devemos reconhecer a importância que as três Forças têm no futuro do Brasil, no que se refere à agregação de inovação e de capacidade científica e tecnológica.
No futuro promissor que vislumbro para o Brasil, tenho certeza de que contaremos com o trabalho, a dedicação e o patriotismo de nossas Forças Armadas, seja nas atividades de defesa civil, quando se trata de resgatar brasileiros e brasileiras de problemas decorrentes de variações climáticas; seja também quando se trata de garantir a lei e a ordem em muitas regiões do nosso país; seja, sobretudo, quando se trata da política estratégica de fronteiras; mas também seja – como eu repeti anteriormente – no desenvolvimento científico e tecnológico do país.Desejo um Feliz Natal e um próspero Ano Novo! Um próspero 2012 a todos os soldados brasileiros que atuam neste imenso país e também no exterior! Desejo aos senhores oficiais generais um bom 2012 ..."